Descrição: Esse projeto visa esboçar uma análise das percepções que envolve a construção do conhecimento acadêmico vinculado ao desenvolvimento econômico do Rio Grande do Sul para compreender as relações entre a ciência e a realidade econômica da região. A princípio, o mapeamento das principais teorias explicativas da realidade econômica dessa região aponta a teoria do contraste ?metade-norte? e ?metade-sul? como a principal teoria histórica que explica o atual desenvolvimento econômico do Rio Grande do Sul. Essa teoria sustenta a tese que distingue a ?metade-sul? como atrasada pois, historicamente, foi marcada pela grande propriedade, pelo latifúndio, e por um conservadorismo que inibiu o desenvolvimento de um ?espírito empreendedor?, o qual figura como forte característica da ?metade-norte?, que registra um passado marcado pela pequena propriedade, pela economia de subsistência, etc. Essa teoria revela as características do passado de colonização do início do século XX e, que sem dúvida, ainda reflete na realidade sócio-política da região. Entretanto, esse projeto busca problematizar como essa teoria ganhou dimensões que extrapolam o ambiente acadêmico e tornaram-se explicações recorrentes do senso comum do gaúcho. Deste modo, pretende-se relacionar o impacto da teoria, em especial, advinda do campo acadêmico da geografia, com a formação de um ?mito? econômico do contraste entre as metades do Rio Grande do Sul, que hoje parecem (subjetivamente) atuar como alimentadora de mitos econômicos locais que podem (na prática) atravancar o ?real? desenvolvimento econômico de uma região. Mais precisamente, desejamos buscar novas possibilidades heurísticas para refletir sobre o desenvolvimento econômico gaúcho e as novas formas de organizações e poder emergidas no atual cenário político-econômico da região, não contaminadas pelo conhecimento científico tradicional..

Período: 2014 - Atual
Integrantes: Marcus Vinicius Spolle - Coordenador / Elaine da Silveira Leite - Integrante.